minhas correntes faziam-se véus
e seu arrastar emudecia os sentidos outros
havia me acostumado com algumas permanências
o gotejar do chuveiro
lodo amontoado no ladrilho
a poeira intermitente
falas incompreendidas
paredes encardidas
o cheiro suado no lençol.
fazia tempo a casa refletia o estado do meu corpo
e o tumulto se abatendo sobre os objetos
não passava de minha angústia impressa desordenadamente.
eu fitava aquilo com indiferença
a criança imersa no faz de conta
o televisor sem fala
a roupa jogada numa espécie de afronta.
eu suplicava
me deixe adiar um pouco mais (...)