O corpo todo
era morada de estranhos.
eu sentia a cabeça coçar
e, desatenta, arrancava pedaços do couro
secretamente ia ao espelho
e via o tempo se depositando
silencioso
no canto dos olhos.